Profano o espaço. que será. seja. um caminho. vereda de memórias.

sábado, 1 de março de 2008

Ainda Marcin Sendecki.....

O rigor do aleatório



«Marcin Sendecki nasceu em Gdansk , na Polónia , em 1967. Iniciou os estudos em Medicina , mas veio a formar-se e a fazer pós-graduação em Sociologia, na Universidade de Varsóvia. [...]
Os poemas de Marcin Sendecki deixam-nos um sentimento de desolação , um vazio preenchido por coisas grotescas , uma solidão habitada por gestos desencontrados .É por isso que nada parece fazer sentido: o absurdo instala-se, à nossa rebelia, nas cidades , nas nossas casas, nos objectos quotidianos, tornando tudo irreconhecível.
Não são arbitrárias nem gratuitas as palavras que tecem a nudez destes poemas , a que subjaz uma componente fortemente política , às vezes velada , às vezes a descoberto , como em » Desta vez não haverá vítimas ». Na escrita de Sendecki está sempre patente a orientação alienatória das nossas vidas ; os poemas delatam a falta de liberdade , de verdade , os excessos e as omissões e conseguem inquietar -nos através de uma ironia cruel , formalmente lacónica em que se diz apenas o indispensável .....».

Rosa Alice Branco, in Parcelas, tradução colectiva , Poetas em Mateus



Poodle Springs

Não é a minha cidade . fumei
um cigarro, caminho longamente no quarto ,
para me livrar dele .

ouço o cão , vejo
o carro à entrada. falarás
através de uma placa de coisas


úteis. a nossa fotografia na
página do jornal, embora não
haja motivo. sou saudável

como bourbon
e apanho
na soleira da porta um envelope
timbrado.

Se quiseres
ver-me entra e fecha

a porta.












1 comentário:

gabriela r martins disse...

absolutamente

divino


demais



.
um beijo